Jovens engrossam estatísticas de desemprego no Brasil

A taxa de desemprego no país está em 11,8%, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada no último mês de setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Driblar essa situação é um desafio ainda mais difícil para a população entre 18 e 24 anos. Dados apontados pelo mesmo estudo mostram que, entre os jovens, a estatística sobe para 26% — mais do que o dobro em comparação ao índice geral.

Na contramão do censo estão Guilherme Coelho, 20 anos, e João Carlos Costin, 19 anos, colaboradores da equipe da dbm, empresa paranaense especializada no desenvolvimento de tecnologias para o setor de contact center. Os dois ingressaram na companhia muito jovens, como menores aprendizes, e foram efetivados. Guilherme está na dbm há 3 anos e 7 meses, cursa administração de empresas e já ganhou algumas promoções até virar analista de control desk, seu cargo atualmente. Para ele, todo esse crescimento é sinônimo de segurança. “Estou numa empresa que pode me proporcionar um futuro promissor e meu plano é fazer carreira na dbm”, conta.

João Carlos também começou como menor aprendiz e foi efetivado após 7 meses. Já tem diploma de técnico em informática e agora faz o curso de análise de desenvolvimento de sistemas. E além do ótimo ambiente de trabalho – o alto astral é a marca registrada da empresa, segundo os colaboradores da dbm – a possibilidade de crescimento é outro fator que faz João Carlos vestir a camisa da corporação. “A chance de crescimento profissional é uma conversa recorrente por aqui e vemos que a empresa valoriza essa questão. A dbm é um lugar muito importante para mim, para minha autoestima. Eu organizo a parte técnica de todos os sistemas que serão usados pelas operações. Amo o que eu faço e ter contato com todas as pessoas do prédio inteiro é uma responsabilidade muito grande. Por isso, me orgulho do meu trabalho”, depõe.

E todo esse entusiasmo é reflexo da política da área de recursos humanos da dbm, com foco no desenvolvimento e retenção de talentos. A capacitação faz parte da filosofia da corporação, tanto para os jovens, que passam pelo estágio do primeiro emprego, como para as pessoas que estão na faixa dos 50 anos ou mais e que buscam a recolocação no mercado de trabalho.

Eliana Tartaglione, gerente de RH na dbm, explica que, os jovens aprendizes, que ingressam na companhia antes de completar 18 anos, passam por um grupo específico conhecido como job rotation, com duração de três meses, no qual têm a oportunidade de transitar por várias áreas. E quando percebem que determinado colaborador tem um perfil diferenciado e habilidades específicas, ele já é alocado nessa área na qual apresenta familiaridade e afinidade.

Mas, antes disso, esses jovens que nunca tiveram contato com o mercado de trabalho, passam por um processo de integração que irá norteá-los por toda a vida profissional. “Eles são acompanhados por uma psicóloga que os ajuda a acalmar toda essa ansiedade, gerada por uma grande mudança, que é a entrada no mercado de trabalho. Além de receberem todo esse acolhimento, os colaboradores aprendem como se portar no novo ambiente, qual a vestimenta e as formas de comunicações adequadas ao regime funcional e o que fazer para se destacar”, complementa Eliana.

Todo esse esforço por parte da companhia traz grande recompensa para a contratante e para o contratado: cerca de 70% dos menores aprendizes, que ingressa na empresa na faixa etária dos 16 anos são efetivados. Aqueles que não continuam na dbm, ao concluírem 18 anos, geralmente vão se dedicar aos estudos e procurar uma oportunidade de trabalho na sua área de atuação. Para todos eles, porém, a bagagem adquirida na dbm tem um grande peso na trajetória profissional. “Os colaboradores amadurecem e ganham segurança quando passam pelo processo de formação dos menores aprendizes. Desde o primeiro dia são acompanhados de perto por supervisores e iniciam em atividades de baixa complexidade. Assim que vão ficando mais seguros, ganham mais responsabilidade. É bem comum encontrar jovens retraídos, devido à insegurança. O acompanhamento, no dia a dia, por profissionais da área, é uma forma de reverter esse quadro. No final do processo eles estão aptos a realizar suas funções e seguir adiante na dbm ou em outra empresa”, informa Eliana.

Via de mão dupla

Todo esse trabalho de treinamento e capacitação de pessoal gera crescimento para os profissionais e para a empresa. Reter talentos é fundamental em companhias nas quais a equipe é encarada como o principal ativo. “No setor de contact center as pessoas fazem muita diferença. Sabemos a importância de investir em nossos colaboradores para que eles prestem o melhor atendimento para representar a marca dos nossos clientes. O nosso sucesso depende do comprometimento e atenção da nossa equipe”, ressalta a gerente de RH da dbm.

E se reter talentos é uma dificuldade geral das empresas, no setor de contact center esse desafio é maior ainda: “o turn over da nossa área de atuação é muito alto, porque as pessoas enxergam o setor de call center como um trabalho de passagem”, conta Eliana Tartaglione. Ela acrescenta que essa é mais uma razão para a empresa investir em ações para motivar e valorizar os colaboradores. “Sempre inovamos para satisfazer os anseios das novas gerações. Parte da nossa capacitação, por exemplo, passa pelo conceito da gamificação, que ajuda no engajamento da equipe no processo de treinamento. Na essência, a técnica é uma mistura de competição, recompensa e diversão. Ou seja, a gamificação trabalha com o lado lúdico e facilita a inclusão dos colaboradores no mundo da empresa”, finaliza.

Fonte:
https://www.bemparana.com.br/noticia/jovens-engrossam-estatisticas-de-desemprego-no-brasil#.Xl0Q8WhKjIV

Dbm Contact Center

Conteúdo Dbm Contact Center

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *