Texto por Rogério Andrade (Gerente de Operações DBM)

Há 5 anos o maior jogador da história do basquetebol brasileiro, Oscar, entrou para o Hall da Fama, algo extremamente inédito em se tratando de um atleta de nacionalidade brasileira. Algo inédito e totalmente justo.

Mas afinal, o que levou Oscar Schmidt ao topo?

Este é o ponto e o grande tema a ser tratado por aqui. Oscar não foi apenas um atleta, não teve apenas as virtudes de um atleta, não tinha apenas disposição física e técnica para exercer a sua profissão. Oscar percorreu todos os trechos da sua carreira com amplo espírito de equipe e liderança. Um grande líder dentro e fora das quadras. Um verdadeiro exemplo, não apenas de determinação e sabedoria, mas também exemplo de fidelidade. Fiel a sua pátria, Oscar declarou, aberta e publicamente, a sua paixão pelo país. Este foi o grande motivo de recusar o maior convite da história: um atleta brasileiro jogar a NBA, a National Basketball Association, principal liga de basquetebol profissional da América do Norte.

Líder, exemplar e dedicado ao esporte e sua família, se espelhou em coachees determinantes para seu sucesso profissional. Poderia ter enaltecido apenas a sua performance, porém fez questão de homenagear Tanjevic, Cláudio Mortari e Ari Vidal, três dos grandes técnicos que o atleta teve a oportunidade de desenvolvimento. Isso também é reconhecimento.

Como se não bastasse, nos momentos finais do Hall da Fama, Oscar Schmidt enalteceu a sua família, a base de seu sucesso, o alicerce pessoal e profissional. Sua esposa, filho e filha estavam na plateia e receberam uma justa e emocionante homenagem.

Oscar deixou as marcas dentro das quadras de basquetebol e mais do que isso, deixou um legado de que nada se ganha sozinho e nenhuma conquista é fruto apenas de esforço individual. É necessário, mais do que ser um líder, ser um exemplo, uma referência, um modelo a ser seguido. E este modelo podemos transportar para nossas vidas pessoais e de carreira, demonstrando coragem, respeito e especialmente humildade.

Um líder se faz assim, com alguns elementos essenciais para se alcançar seus ideais. É o começo, e só o começo. Os demais passos são de responsabilidade de cada um de nós, com ética, disciplina e equilíbrio.

Rogério Andrade
Gerente de Operações
09/05/2018

Vídeo de Oscar Schmidt no Hall da Fama – https://www.youtube.com/watch?v=OsJ5d12ybkA

Kelwin Willian

Gerente Comercial na DBM Contact Center.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *